sexta-feira, 20 de abril de 2012

                                                   Combustível vital


Sua mente tenta revirá-lo. Os arrepios são constantes e, às vezes, até o óbito lhe parece profilático. Por quê o dualismo lhe afeta tanto? No momento, o que ontem era certo, tornou-se errôneo. Se diz tão liberto dos fétidos olhares da sociedade, entretanto, pesam-lhe as pálpebras. É como se quisesse fechar os olhos e viver em eterna solidão. Na verdade, os atos falhos proporcionam tal sentimento. É difícil entender esse tipo de bipolaridade. Creio que os fatos da vida lhe influencie. Confesso que arrepios tomam conta de meu corpo à todo instante. Afinal, transformar a 1ª pessoa em 3ª é um fato que assusta. Não o susto dos fracos, da covardia. É um assustador brando. Racional. É de se entender. Possui duas vidas. Uma delas, dizem ser real. Mas o imaginário lhe é a verdadeira realidade. É dificultoso uma ideia de dois mundos. Mas entenda: as literaturas, apenas estas, conhecedoras do inexistencial, é que poderão explicar um ser tão complexo. Como pode não gritar e chorar? Portar-se friamente, mesmo tendo erupções vulcânicas em suas sinapses. Não lhe passa eletricidade nos neurônios; lhe passam brasas. Fogo. Fervor. Talvez exista alguém que possa enxergar as chamas em sua retina. Até porque não encontrara ninguém que possuísse o olhar que, admiravelmente, possa lhe entender. Há de encontrar. Talvez numa dessas estradas perdidas no mapa, pacatas, caipiras em sua essência, que tanto lhe cativa. Talvez em lugar algum, nenhum. Entretanto, as clarividências estão longe de suas qualidades. Embora possua algumas certezas. Como a de que aqueles que entoam choro de tristeza, logo ao nascer, estão, inevitavelmente, fadados a mesma tristeza. Como disseram por aí: '' há seres que nascem póstumos.'' Eu digo: há seres que nascem, crescem e morrem inertes no formol do descontentamento. Não há plenitude. São estimativas da felicidade... na maioria das vezes, momentâneas. Assim como existem os ambidestros, ambiciosos, existem os ambisentimentais. Ora tristes, ora felizes. Mas assim segue o trajeto. Com perspectivas de sucesso, felicidade e alegria. Embora sabedor de que, o combustível que lhe nutre a vida, chama-se melancolia. 

7 comentários:

  1. bom texto.
    isso é normal isso acontece por que as pessoa sempre irão aprender coisas novas.

    ResponderExcluir
  2. Lindo o texto, e sim, eu li o texto todo!
    E gostei mesmo ;)

    ResponderExcluir
  3. Parabéns Rafa! Ótimo texto e ótima proposta do blog!
    Sucesso!!!

    http://equemnaoamaviajar.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. A única coisa que me passou pela cabeça enquanto eu lia o teu texto é que como é difícil ser humano. Hahaha.

    :*

    http://hey-london.net

    ResponderExcluir
  5. Ora tristes, ora felizes. Mas assim segue o trajeto.
    pequena frase que diz mto

    ResponderExcluir
  6. Você escreve muito bem e falo isso de coração... de Alma caipira! (haha)
    E o seu texto tem tudo a ver com a sua descrição ali ao lado direito. Bipolaridade assanhada essa a sua, hein?

    ResponderExcluir
  7. Ow gostei muito das postagens, bem criativas. Seu blog já está no meu favorito parabéns, grande abraço.
    Nova post lá no blog, passa lá.
    http://jpbigblog.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir